zé 

Augusto

José (Zé) Augusto, (n. 1930 - m. 2012, Aveiro), foi o artista a quem melhor assenta o titulo de “o barrista de Aveiro”, não so pela quantidade de figuras aveirenses que imortalizou em barro, mas também pelo trabalho de investigação e procura das “simbologias” que melhor identificassem e diferenciassem essas figuras, religiosas ou populares, da cidade e da região de Aveiro. 

Foram dezenas de “bonecos” em barro que José Augusto concebeu, representando praticamente toda a “galeria” de figuras tradicionais aveirenses, vestidos com respetivos trajes típicos: marnoto, peixeira, homem do ramo, mulher do ramo, tricana, pescador, entre muitas outras. 

A par dessas figuras populares, José Augusto também modelou inúmeras imagens religiosas de que são exemplos os “santos” mais populares da cidade de Aveiro: Santa Joana e São Gonçalinho.

José (Zé) Augusto, (b. 1930 - d. 2012, Aveiro), was the artist who best fits the title of “the potter of Aveiro”. Not only due to the amount of people from Aveiro who he immortalised in clay, but also for his research work, specifically on the “symbology” with best identified and differentiated these figures, religious or popular, from the city and region of Aveiro. 

There were dozens of clay “figurines” which José Augusto designed, representing practically the entire “gallery” of traditional figures from Aveiro, dressed in their respective traditional costumes: marnoto (saltpan worker), fishmonger, homem do ramo (“man of the branch”), mulher do ramo (“woman of the branch”), tricana (traditionally dressed woman), fisherman, among many others. 

Alongside these popular figures, José Augusto also modelled numerous religious images, examples of which are the most popular “saints” of the people of Aveiro: St Joana and St Gonçalinho.